segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Brassagem da Opus 27 – Witbier e Witbier Peper

Depois do grande encontro da ACervA em Blumenau no sábado passado (01/08/08), retomamos nossa produção caseira. Decidimos fazer uma witbier, desta vez com todos os condimentos tradicionais.

A cerveja branca belga (witbier em holandês, bierre blanche em francês) tem como representante mais famoso a Hoegaarden, que já pode ser encontrada no Brasil. É uma cerveja muito saborosa e refrescante e um dos nossos estilos favoritos. Ela é uma cerveja de trigo caracterizada pela adição de coentro e casca de laranja, mas também é comum da adição de camomila.

Da outra vez que fizemos a wit havíamos utilizado apenas o T-58 como diferencial em relação à nossa weizen, e ela ficou bem melhor do que a weizen com o WB-06. Realmente fazer uma boa weizen tradicional alemã não é tão simples quanto parece.

Resolvemos manter a proporção anterior de maltes (50% de trigo e 50% pilsen), mas elevamos um pouco a densidade. Como esta cerveja será bebida em uma festa, resolvemos fazer uma witbier um pouquinho mais forte, com em torno de 6% de álcool (OG de 1.058).

Na fervura de 44 litros, utilizamos 15g de semente de coentro (5min do final da fervura), 30g de camomila e a rapa da casca de 8 laranjas (1 min do final da fervura). A rapa não pode conter a parte branca da casca, que forneceria um sabor adstringente. Fizemos um chá com o mosto e a camomila em separado e adicionamos ao final da fervura na panela, coando para não gerar muito trub, o que aconteceria se jogássemos a camomila direto na panela.

A cerveja terá uma amargor de 20 IBU, com uma adição de magnum (22g) a 60 minutos e Saaz (15g) a 5 minutos.

Como experiência, resolvemos colocar em um dos galões 5g de uma calda de pimenta do reino moída na hora e fervida junto com poucos mililitros do mosto. A calda foi coada e adicionada ao galão.

Estamos bem ansiosos para ver o resultado desta cerveja que tem tudo para ficar bastante saborosa. Assim que ficar pronta faremos um post comentando o resultado!

Abraços!

Um comentário:

cla.coe disse...

Olá Marcos, gostaria de mais detalhes desta cerveja que voces fizeram. Se possivel e se você tiver me passe os detalhes desta receita com os tempos, temperaturas e tal...

Tomei uma Weiss que o Max trouxe no encontro da ACervA aqui em Blumenau e gostei muito. Bem refrescante e otima de tomar em grupo e festas, aprecida com esta sua com o efeito da laranja.
Tenho uma receita tradicional de Weiss com WB-06, mas queria ver algo diferente para ter como segunda ou quem sabe como primeira opção neste tipo de cerveja..

Aguardo
Claudio Coelho - cla.coe@gmail.com
ACervA Catarinense